Comi a Mulher do Amigo e Levei Vara
12 fev 2013

Me chamo Carlos e moro em uma vila no interior do estado do Amapá. Sou funcionário publico e como não existe nenhuma agência bancária nessa vila, tenho que me deslocar até a Capital, Macapá para receber meu salário. Numa dessas idas a Macapá resolvi ligar para um amigo e parabenizá-lo pela passagem de seu aniversário. Como já havia um tempo que não o via, ele me convidou para tomar uma cervejinha em sua casa, convite que aceitei com maior prazer. Edson, esse meu amigo, tinha uma mulher que é um espetáculo, loira muito gostosa e bonita, bumbunzinho arredondado e seios firmes, de tamanho médio, uma delicia de mulher. Todas as vezes que via essa mulher me dava uma vontade de fodê-la. Ela sempre se insinuava para mim com olhares provocantes, mas nunca passou disso.

Na noite em que fui a sua casa, ele tinha comprado um caixa de cerveja importada da Venezuela, caixa com 24 latinha, e começamos a beber. Conversa vai conversa vem, foi proposto por ele um jogo de palitinhos e o perdedor bebia em um só gole a metade da cerveja e a outra metade beberiam os outros dois. O primeiro a perder fui eu, então bebi a primeira metade e foi assim por varias rodadas. Em certo momento, Edson propôs mudança na regra do jogo. O perdedor tiraria uma peça de roupa. Achei aquilo estranho e sentiu uma sacanagem no ar. Os dois trocaram olhares e percebi a jogada. Aquela loira gostosa queria ser fodida por nos dois. E aceitei a regra.

A primeira rodada foi perdida por ela, então tirou a primeira peça de roupa, sua blusa. Aquela vadia safada estava sem sutiã e logo ficou exposto seus seios. A coisa mais linda que já vi. Olhei para Edson e ele deu um sorriso safado. O jogo continuou e pelas rodadas seguintes só eu e Edson perdíamos, eu estava doido de vê aquela loira safada pelada, mas ela não perdia. O primeiro a ficar completamente pelado foi meu amigo. Fiquei com vergonha quando vi o tamanha da rola dele, uns 24 cm e a minha só 17 cm. Uma rola grande, grossa e bonita. Como eu gostaria de ter uma rola igual aquela.

Depois que eu perdi a próxima partida, Edson disse que já estava cançado de jogar e queria fuder aquela loira. Ele era um moreno forte e sarado, ela uma mulher pequena, ele pego-a sem muito esforço e a levou para cama e me perguntou se eu ia ficar sozinho na sala e me convidou a ir para o quarto. Fui ao banheiro primeiro, pois a vontade de mijar era grande, depois da grande quantidade de cerveja que tomei. Quando cheguei no quarto a loira esta chupando a rola do Edson. Fiquei com um tesão tão grande que minha rola endureceu em poucos segundos. Aquela cena me deixou louco, eu olhei para ela e com um sinal de vem cá, eu fui em direção a sua xana. Que coisa mais linda, rosada, pequena depilada. Cai de boca e com muita sede ao pote. Ela disse que eu tivesse cama, pois aquela boceta não iria sair dali tão cedo e que nos teríamos toda a noite para nos divertir. Edson pediu que ela chupasse minha rola. E ela então começou uma chupada fenomenal, parecia que minha pica estava enterrado em uma bocetinha virgem. Ela chupava tão bem que parecia que eu estava metendo em uma boceta. Não demorei muito pra esporrar em sua boca. Foi uma enxurrada de porra, visto que, eu não transava e nem socava uma a mais de duas semanas. Ela não desperdiçou nenhuma gota, engoliu todinha.

Me recompus do gozo e logo meu pau tava duro de novo. Só de vê aquela rola imensa rasgando o cu daquela loirinha, ela gemia e gritava de tesão dizendo, me fode seu safado, come o cuzinho da tua mulher, come. Ela olhou pra mim perguntou se eu ia só ficar olhando e pediu que metesse em sua buceta. Fui muito bem mandado. E logo ela estava levando duas rola. Ela não parava de gritar coisas como: me arromba o cu, me esfola a buceta, quero sair daqui toda ardida seus caralhos.

Nunca pensei que aquela coisinha miúda agüentasse uma roa tão grande e grossa quanto a rola do Edson, mas ela já estava acostumada, eles já estavam casados há mais de 8 anos.Não demorou muito ela deu um urro de prazer, foi uma gozada inesquecível, disse ela, a melhor gozada de sua vida. Mas ela queria mais, pediu que nós metéssemos as duas rolas em sua buceta, fiquei surpreso mais foi possível , Edson ficou por baixo, e ela sentou em sua rola, eu me cheguei por cima e meti também, ficou um pouco desconfortável, mas o desejo dela foi realizado. Ela gritava, quero mais rola, quero outra rola, num desespero sem fim, enquanto minha rola entrava a do Edson saia e ficamos nesse vai e vem constante e logo ela gozou de novo .Mary, esse era seu nome, tinha uma facilidade muito grande pra gozar.

Então, depois disso ela disse que queria tomar leitinho de novo e pediu que punhetasse pra ela. Comei uma punheta frenética e logo gozei. Meu esperma se espalhou pelo rosto dela e como ela não queria perder nenhuma pequena porção enviou minha rola em sua boca e bebeu o restante. Enquanto ela estava mamando minha rola, Edson fodia seu cú de novo. Mary me pediu pra chupar sua buceta e assim que Edson estava prestes a gozar, tirou sua enorme rola do cu dela e levou direto a boca pra ela tomar mais leitinho. Eu continuava chupando sua buceta. Edson saiu para lavar sua rola e logo voltou. Nós éramos dois paus mandados, fazíamos tudo que Mary mandava. Ela disse ao seu marido, me come meu corninho, quero tua pica na minha buceta, e ele ainda com a pica meio mole foi logo introduzindo meio sem jeito na buceta dela. E você, disse ela pra mim, chupa meu grelinho. Não gostei muito da idéia, pois a rola do Edson estava em sua boceta, mas como o tesão era maior, resolvi obedecer. Cai de boca no grelinho. Achei aquilo estranho, pois sempre a rola dele tocava em minha boca, mas acabei gostando, fiquei com um tesão maior ainda e de propósito Edson enviou sua rola em minha boca e acabei chupando aquela rola. Senti um prazer maior ainda com aquela rola gostosa preenchendo toda a minha boca. Em um determinado momento eu não queria mais largar aquela delícia de rola. Então ela disse: um viadinho e um corninho, fiquei super excitado quanto ela me chamou de viadinho, no impulso do momento, resolvi que queria sentir aquela rola em meu cu. E pedi que ele me comesse. Sem demora, Edson deu uma cuspinha na cabeça da rola, espalhou por toda sua extensão e me meteu a vara. Eu dei um grito de dor, ai como doía, Pedi que ele colocasse devagar, e ele foi com mais calma. Então comecei a relaxa, quando percebi, depois de muita dor, a rola dele estava todinha dentro do meu cu, e já não sentia mais dor, só prazer. Pedi para Mary chupar meu peito esquerdo, o qual tenho uma grande sensibilidade e comecei me masturbar. As estocadas da rola do Edson num vai e vem frenático no meu cu, as chupadelas de Mary no meu peito e eu me masturbando, me proporcionou a gozada mais gostosa da minha vida. Nunca gozei tão gostoso assim em nenhuma buceta.Depois disso, toda vez que ia a Macapá, comia e Mary e levava rola do Edson, foi assim por sete anos. Hoje não mora mais no Amapá e só fico na saudade daquela dupla dinâmica da sacanagem. Mas eu tenho outras historias pra contar, mas fica pra próxima. Não pense que eu deixei de dá o cú, hoje sempre que encontro um casal assim tipo esses dois, sempre dou um jeitinho pra ser enrrabado pelo macho. Agora sou bisexual, mas tenho preferência por rolas grandes e grossas. Buceta? Pode ser qualquer uma!



























Busca em Contos eróticos »

Arquivos em Contos eróticos »

Acompanhantes

Busca de acompanhantes

Total de acompanhantes: 31

Busca avançada

Este site é, única e exclusivamente, um veículo de comunicação entre pessoas, e não tem nenhum vínculo com seus anunciantes que são, também, responsáveis únicos pelas informações contidas em seus respectivos anúncios bem como pela garantia de que são maiores de idade. GPBARRA NÃO É AGÊNCIA e não assume nenhuma responsabilidade pelo conteúdo dos anúncios ou pelas respostas a qualquer um deles.