Câncer de Próstata
3 abr 2013

Homens não fazem exame de toque, mesmo sabendo que teste é usado para detectar o câncer

Pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Urologia com 1.061 homens, de 10 capitais brasileiras, na faixa etária de 40 a 70 anos, mostrou que apenas 32% dos homens fizeram o exame de toque retal, apesar de 76% saber que o exame é usado para detectar o câncer de próstata.

Para o coordenador da Área Técnica de saúde do Homem do Ministério da Saúde*, Baldur Schubert, a pesquisa traz um alerta. “Nessa faixa etária é fundamental que os homens estejam atentos às questões de saúde, não apenas da próstata, mas também do coração, hipertensão e diabetes. É importante que os homens procurem os serviços de saúde para serem avaliados na integralidade, inclusive quanto à próstata”, afirma.

O estudo Saúde masculina: o homem e o câncer de próstata foi realizado em Belo Horizonte, Belém, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal, entre os dias 2 e 7 de outubro de 2009.

Mas por que os homens não fazem o exame? A resposta pode estar no preconceito e machismo. O levantamento mostrou que 77% concordam que os homens não fazem exame de toque retal por preconceito e 54% percebem que os homens têm medo do exame. Mas, quando questionados sobre a não a realização do exame, apenas 8% admitem preconceito em relação ao toque, enquanto 13% afirmam descuido, preguiça, relaxo e falta de tempo.

“Ninguém vai dizer que é preconceituoso, pois não é politicamente correto, mas se admitíssemos o preconceito, talvez estivéssemos indo mais ao médico. O problema é que o homem foi educado para ser Super-Homem. Pra eles doença é sinal de fragilidade”, explica Schubert.

Sobre o exame realizado para diagnóstico do câncer de próstata, dados da pesquisa mostraram que 47% dos homens já fizeram o PSA (exame sanguíneo) e 54% têm conhecimento de tal exame. O coordenador Schubert, no entanto, reforça que para detectar o câncer de próstata é importante fazer dois exames, tanto o PSA, quanto o exame de toque, apenas os dois testes conjugados vão poder ajudar a verificar a presença de um problema na próstata ou a ausência dele.

ESCOLARIDADE X SAÚDE – Dado importante, também relevado no estudo, é que quanto mais escolarizado e maior a classe social, maior o cuidado com a saúde. Cerca de 79% dos homens com nível universitário já foram ao urologista, enquanto 46% dos que têm ensino fundamental foram ao especialista. Homens da capital Sudeste são os que mais vão ao urologista (62%) e os do Norte vão menos (36%).

Uma análise da pesquisa que cruza os dados da classe social e a realização de exames, mostra que cerca de 74% dos homens das classes D/E nunca fizeram o PSA. E nas classes D e E, 38% desconhecem os exames que detectam o câncer de próstata; por outro lado 93% dos homens das classes A e B conhecem algum exame diagnóstico dessa doença.

As maiores influências para o homem ir ao médico são a esposa ou a companheira (66%) dos entrevistados.

Outros dados
64% não possuem planos de saúde.
50% praticam exercícios físicos.

*A Área Técnica de Saúde do Homem pertence à Secretaria de Atenção à Saúde.

Fonte: Ministério da Saúde

Prevenção e tratamento

A próstata é uma glândula masculina localizada na parte baixa do abdômen. Tem a forma de maçã e situa-se logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada.

Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco do câncer. Especialistas recomendam pelo menos 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.

Homens a partir dos 50 anos devem procurar um posto de saúde para realizar exames de rotina. Os sintomas mais comuns do tumor são a dificuldade de urinar, frequência urinária alterada ou diminuição da força do jato da urina, dentre outros. Quem tem histórico familiar da doença deve avisar o médico, que indicará os exames necessários.

O toque retal é o teste mais utilizado, apesar de suas limitações: somente a porção posterior e lateral da próstata pode ser palpada. É recomendável fazer o exame PSA (antígeno prostático específico, na sigla em inglês), que pode identificar o aumento de uma proteína produzida pela próstata, o que seria um indício da doença.

Para um diagnóstico preciso, é necessário analisar parte do tecido da glândula, obtida pela biópsia da próstata.

Caso a doença seja comprovada, o médico pode indicar radioterapia, cirurgia ou até tratamento hormonal. Para doença metastática (quando o tumor original já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento escolhido é a terapia hormonal. A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após médico e paciente discutirem os riscos e benefícios de cada um.

Fonte: Brasil.gov – Veja a materia na integra



























Busca em Blog »

Arquivos em Blog »

Acompanhantes

Busca de acompanhantes

Total de acompanhantes: 15

Busca avançada

Este site é, única e exclusivamente, um veículo de comunicação entre pessoas, e não tem nenhum vínculo com seus anunciantes que são, também, responsáveis únicos pelas informações contidas em seus respectivos anúncios bem como pela garantia de que são maiores de idade. GPBARRA NÃO É AGÊNCIA e não assume nenhuma responsabilidade pelo conteúdo dos anúncios ou pelas respostas a qualquer um deles.